Maio, 2016

 

Bife, ele era o gol!

“Foi o mais perfeito de todos”; “Ninguém sabia fazer gols como ele”; “Na área, era simplesmente mortal”; “Nasceu na época errada, se jogasse hoje, estaria brilhando na Europa”; “Nunca mais passou um artilheiro como ele por aqui”, “No Brasil, não tem um centroavante como ele”; “Era quase impossível de ser marcado”; “Era um gênio dentro da área”; “Pra resumir? Ele era o gol…” Radialistas, jornalistas, técnicos, torcedores, jogadores, historiadores… Quem viu José Silva Oliveira, o Bife, em campo, em algum momento da conversa vai fazer pelo menos uma das citaçõesRead More


Mosca, o maestro tricolor

Carlos Henrique Pedroso, o Mosca, foi um dos mais habilidosos e geniais meias do futebol regional, e tem seu nome intimamente ligado a história do Clube Esportivo Operário de Várzea Grande. Aportou em solo mato-grossense após um início de carreira promissor no futebol paulista, sendo inclusive apontado pela imprensa da época uma das maiores promessas do Corinthians. Foi capa de uma revista Placar de 1970 ao lado de Roberto Batata, Tinteiro e Adãozinho, sob o título “Um futuro Rei do futebol”. Da Ponte Preta ao Corinthians de 1974 o craqueRead More


Rubão, o Garoto do Adivinha!

Sua marca registrada fez vibrar as mais diferentes torcidas por mais de quatro décadas. Sempre com o mesmo profissionalismo, qualidade e paixão, o narrador esportivo Rubens Neves soltava a voz cada vez que a bola balançava a rede, agitando a galera: “Adivinha!”, disparava, antes do tradicional grito de gol. Admirado pelos colegas, Rubão foi um apaixonado pelo rádio, e também pelo futebol, como fazia sempre questão de deixar claro em todas suas transmissões com o bordão “feliz da vida, fazendo o que gosto”. O ‘Garoto do Adivinha’, como foi rotuladoRead More


Ruiter, o gênio indomável

Temperamento forte, gênio instável e uma intimidade com os gramados e a bola comparável a poucos, pouquíssimos. Polêmico e talentoso, Ruiter Jorge de Carvalho, também ganhou fama de chorão, sempre reclamando – principalmente da arbitragem -, e entrou para a história do futebol de Mato Grosso como exímio lançador, armador e cobrador de faltas. Careca há muito, muito tempo, Ruiter também sempre foi visto como um jogador ‘pouco disciplinado’. Não por jogadas desleais, mas sim pela mania de encarar de frente os desafios, adversários e árbitros, sem papas na línguaRead More


Os primórdios do futebol…

Conforme os registros históricos, retratados em várias publicações ao longo do tempo, o futebol chegou em Mato Grosso no ano de 1902. A primeira bola veio pelas mãos do padre Antonio Malan, que a trouxe de São Paulo. O estado era governado por Antoniko Paes de Barros. A partir daí o esporte foi aos poucos ganhando adeptos e entre os anos de 1911 e 1915 surgiram os primeiros times de Cuiabá, como Paulistano, Royal, Americano, Internacional e Cuiabá Futebol Clube. Mas só a partir do dia 11 de junho deRead More


Ele esteve lá

“E agora a opinião de quem conhece, conhece por que esteve lá…” Esta é a deixa do narrador para o comentário de Roberto de Jesus César, o Careca, ex-jogador e ex-técnico, hoje consagrado analista esportivo. Idolatrado pela torcida do Mixto como o treinador que levou o time pela primeira vez a disputa do Campeonato Brasileiro, Careca é um daqueles comentaristas que não faz rodeio, é objetivo e faz o torcedor/ouvinte entender o que está acontecendo em campo sem qualquer dificuldade. Sua vasta experiência dentro de campo e também como treinadorRead More


Seis minutos históricos

O artista performista norte-americano Andy Whorey é autor de uma frase célebre: “um dia, todo mundo será famoso na vida, pelo menos por cinco minutos”. O ponta-direita Odair Pedroso, o Tuta, teve o seu momento mágico de fama. Mas, no seu caso, a tal fama foi muito além dos cinco. Tuta, que morreu em 2006 vítima de um acidente de carro na região norte do Estado, escreveu, como protagonista, uma das mais importantes páginas da história do Mixto Esporte Clube. Tem garantida sua fama eterna. Tudo graças a apenas eRead More


Rubens dos Santos, o Velho Guerreiro

  Homem de grande importância na vida social, política e esportiva de Várzea Grande, Rubens Baracat do Santos, entrou para a história como o ‘pai’ do Clube Esportivo Operário de Várzea Grande e um dos mais astutos e apaixonados dirigentes do futebol de Mato Grosso. Integrante do grupo que fundou o Tricolor, em 1º de maio de 1949, o Velho Guerreiro – como ficou conhecido no futebol – presidiu o clube várias vezes, participou de importantes conquistas e ajudou a transformar a rivalidade com o Mixto na maior do estado.Read More


Laércio, o Baluarte

Por Priscila Hauer, revista ESPOINT – Do túnel do tempo o som ecoa até hoje, afinal é difícil aceitar que os momentos mágicos se foram. Momentos em que através da voz eram expressos sentimentos, angustias, sofrimentos e muita, muita alegria.  É a época em que o rádio predominava e encantava a todos. Foi exatamente nesse período que surgiu o cronista esportivo Laércio de Arruda, o Baluarte. O poconeano Laércio – nascido em 1949 – trocou os gramados, mas não os do campo de futebol e, sim, o da secretaria deRead More


Nelson Vasques, um clássico

Cabelo no melhor estilo década de 70, nariz de libanês, sotaque carioca, fala mansa, educação invejável, categoria inquestionável. Nelson Roberto Vasques foi um dos maiores zagueiros do futebol de Mato Grosso de todos os tempos. Carioca, chegou em Mato Grosso no ano de 1973 e se tornou ídolo do Mixto e do Dom Bosco. Por aqui ficou, casou, virou técnico de escolinhas e times profissionais. Era um zagueiro daqueles raros até hoje. Não dava pontapé, tinha uma técnica incrível, habilidade de atacante e elegância. “Nelson foi um dos zagueiros maisRead More