Ministério do Trabalho embarga parte das obras da Arena

  • outubro 7, 2013
  • Copa 2014
  • 5 comentários

Do site Olhar Direto

Falta de segurança. Esse foi o motivo que levou a fiscalização do Ministério do Trabalho (MT) a embargar mais de 40% das obras da Arena Pantanal, a menos de 250 dias da abertura da Copa do Mundo e às vésperas da visita do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo (COL) e Fifa que está prevista para esta terça-feira. Essa vistoria da Fifa, em meio às turbulências do cancelamento da aquisição das cadeiras do novo estádio e agora do embargo trabalhista, acontecerá  com a presença do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, o secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke, e os ex-jogadores Ronaldo Nazário e Bebeto.

Mais do que a paralisação dos trabalhos por falta de condições ideais de trabalho, também estão interrompidos importantes trabalhos como a instalação dos sistemas elétrico e ar condicionados. As interdições atingem todos os quatro setores da Arena, do norte, sul, leste e oeste. Em alguns setores da arena está proibida a permanência de trabalhadores, em como circulação de operários e visitantes.
A falta de escadas com guarda-corpos e os elevadores foram os itens que mais chamaram a atenção dos auditores para a expedição do embargo. Sem o material de proteção adequado, os trabalhadores correm riscos de acidentes, segundo representantes do MT.
No final de semana, responsáveis pela obra corriam contra o tempo para solucionar o problema e conseguir a suspensão do embargo. Se a empresa construtora do estádio não solucionar as deficiências até o final da tarde desta segunda-feira, a visita dos representantes do COL e da Fifa poderá ficar restrita às áreas que não foram fechadas. A proibição deve permanecer até que as exigências dos auditores sejam cumpridas.
Esta não é a primeira vez que uma obra da Copa do Mundo em Cuiabá é paralisada por falta de segurança. Em janeiro deste ano, uma força-tarefa do Ministério do Trabalho que fiscaliza as construções da Copa do Mundo de 2014, paralisou quatro obras: as trincheiras Santa Rosa, Verdão (Santa Isabel), Ciríaco Cândia (Mário Andreazza) e Jurumirim. Essas obras só tiveram autorização para retomada após atendimento das exigências para segurança dos operários e pedestres. A paralisação dos trabalhos na trincheira Santa Rosa seguiu por quase um mês.
Até a manhã desta segunda-feira, os responsáveis pela obra não haviam se pronunciado sobre a questão. Ainda hoje, a construtora Mendes Júnior deve se pronunciar através de sua assessoria de imprensa.
Segundo o setor responsável pela fiscalização do Ministério do Trabalho, até às 10h45 desta segunda-feira, os responsáveis pela obra não haviam protoclado o cumprimento das exigências. Um auditor informou que enquanto isso não ocorrer, parte das obras continuará interditada.
Por sua vez, a assessoria de imprensa da Secopa, informou que houve apenas notificação ao consórcio Mendes Júnior. “As obras seguem normalmente em todas os setores e as exigências já foram cumpridas”, declarou um assessor.

Tags:

5 Comentários

  1. Aquino disse:

    Agora, nas vésperas da fiscalização da FIFA, tá muito clara a existência de boicote.

  2. Tufão Tuchê disse:

    Que beleza

  3. J. Carlos disse:

    POLITICAGEM TOTAL, QUEM PODE MAIS CHORA MENOS.

  4. PRAMIM PODE EMBARGAR EXPLODIR VENDER ETC,,,,,,,,,,,,,,, ARENA VAI SER MESMO UM ELEFANTE BRANCO,,,,,,,,,,,,,,,TINHAMOS CERTEZA Q O MIXTO IRIA SUBIR PARA A SERIE C,,,,,,,,,,,,,, SÓ ERA O MIXTO PARA LEVAR A TORCIDA A ARENA ,,,,,,,,,,,,

  5. F.M.C disse:

    Pessoal nem sei e nem quero saber os motivos das polemicas só sei que ñ vejo a hora de fazer parte do quadro de trabalhadores da empresa Mendes Junior, pena já nesta faze final de construção desta grande arena de futebol.
    Até mais e me aguarde Cuibá-MT.

Deixe seu comentário





captcha service