efa01749876b2323d139699cd4886281

Ministério do Trabalho embarga parte das obras da Arena

Do site Olhar Direto

Falta de segurança. Esse foi o motivo que levou a fiscalização do Ministério do Trabalho (MT) a embargar mais de 40% das obras da Arena Pantanal, a menos de 250 dias da abertura da Copa do Mundo e às vésperas da visita do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo (COL) e Fifa que está prevista para esta terça-feira. Essa vistoria da Fifa, em meio às turbulências do cancelamento da aquisição das cadeiras do novo estádio e agora do embargo trabalhista, acontecerá  com a presença do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, o secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke, e os ex-jogadores Ronaldo Nazário e Bebeto.

Mais do que a paralisação dos trabalhos por falta de condições ideais de trabalho, também estão interrompidos importantes trabalhos como a instalação dos sistemas elétrico e ar condicionados. As interdições atingem todos os quatro setores da Arena, do norte, sul, leste e oeste. Em alguns setores da arena está proibida a permanência de trabalhadores, em como circulação de operários e visitantes.
A falta de escadas com guarda-corpos e os elevadores foram os itens que mais chamaram a atenção dos auditores para a expedição do embargo. Sem o material de proteção adequado, os trabalhadores correm riscos de acidentes, segundo representantes do MT.
No final de semana, responsáveis pela obra corriam contra o tempo para solucionar o problema e conseguir a suspensão do embargo. Se a empresa construtora do estádio não solucionar as deficiências até o final da tarde desta segunda-feira, a visita dos representantes do COL e da Fifa poderá ficar restrita às áreas que não foram fechadas. A proibição deve permanecer até que as exigências dos auditores sejam cumpridas.
Esta não é a primeira vez que uma obra da Copa do Mundo em Cuiabá é paralisada por falta de segurança. Em janeiro deste ano, uma força-tarefa do Ministério do Trabalho que fiscaliza as construções da Copa do Mundo de 2014, paralisou quatro obras: as trincheiras Santa Rosa, Verdão (Santa Isabel), Ciríaco Cândia (Mário Andreazza) e Jurumirim. Essas obras só tiveram autorização para retomada após atendimento das exigências para segurança dos operários e pedestres. A paralisação dos trabalhos na trincheira Santa Rosa seguiu por quase um mês.
Até a manhã desta segunda-feira, os responsáveis pela obra não haviam se pronunciado sobre a questão. Ainda hoje, a construtora Mendes Júnior deve se pronunciar através de sua assessoria de imprensa.
Segundo o setor responsável pela fiscalização do Ministério do Trabalho, até às 10h45 desta segunda-feira, os responsáveis pela obra não haviam protoclado o cumprimento das exigências. Um auditor informou que enquanto isso não ocorrer, parte das obras continuará interditada.
Por sua vez, a assessoria de imprensa da Secopa, informou que houve apenas notificação ao consórcio Mendes Júnior. “As obras seguem normalmente em todas os setores e as exigências já foram cumpridas”, declarou um assessor.

5 Comments

  1. Post By Aquino

    Agora, nas vésperas da fiscalização da FIFA, tá muito clara a existência de boicote.

  2. Post By Tufão Tuchê

    Que beleza

  3. Post By J. Carlos

    POLITICAGEM TOTAL, QUEM PODE MAIS CHORA MENOS.

  4. PRAMIM PODE EMBARGAR EXPLODIR VENDER ETC,,,,,,,,,,,,,,, ARENA VAI SER MESMO UM ELEFANTE BRANCO,,,,,,,,,,,,,,,TINHAMOS CERTEZA Q O MIXTO IRIA SUBIR PARA A SERIE C,,,,,,,,,,,,,, SÓ ERA O MIXTO PARA LEVAR A TORCIDA A ARENA ,,,,,,,,,,,,

  5. Post By F.M.C

    Pessoal nem sei e nem quero saber os motivos das polemicas só sei que ñ vejo a hora de fazer parte do quadro de trabalhadores da empresa Mendes Junior, pena já nesta faze final de construção desta grande arena de futebol.
    Até mais e me aguarde Cuibá-MT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

captcha service